Sua empresa uma organização de mídia?

0
80

Por Oswaldo Pepe

Aqui na Art Presse – empresa de Relações Públicas e Assessoria de São Paulo – clientes sempre nos procuram com perguntas como “é possível tornar a minha empresa uma organização de mídia”?

À primeira vista esta pergunta pode parecer absurda. Afinal, por que minha empresa, que nada tem a ver com comunicação em seu core business, tem – olhem a afirmação crua, direta, ‘tem’ – que ser uma central de mídia? E não é um simples serviço, a afirmação é clara, tem que ser uma ‘central’. O que isso quer dizer, o que isto compreende, do que se trata?

Explico, com a ajuda da História. Antes, a maioria da comunicação era feita através dos ‘veículos de comunicação’ tradicionais: jornais, revistas, rádios, tevês, outdoors, cartazes et cetera. Neste esquema, chamado genericamente de ‘broadcast’, quem tem a propriedade dos meios de comunicação, em geral caros de montar, manter e operar, cobra por sua utilização. Ou seja, se sua empresa precisa se comunicar com qualquer público alvo, tem que se utilizar, pagando, dos meios de comunicação tradicionais.

Não preciso explicar que este sistema, do jeito que é, enseja uma série de características, seja pelo fato de que o espaço é pago (e portanto você pode dizer o que lhe interessa, como lhe interessa etc.), seja porque o espaço, sendo pago, é portanto, limitado e assim por diante.

Claro que existiam e existem outras mídias para se comunicar: eventos, publicação de edições, patrocínios de todo tipo, promoções, ações nos pontos de venda (para quem usa) e certamente, serviços de Relações Públicas, que até muito pouco tempo, aqui entre nós, focavam quase que exclusivamente nos serviços de Assessoria de Imprensa. Mas ainda não existiam as redes sociais…

As Redes Sociais e sua comunicação direta com seus públicos

Com o aparecimento e a popularização de uma série de serviços na internet, a comunicação que antes – no tempo do broadcast – era feita de um para todos, unilateralmente, sem que os destinatários das mensagens pudessem responder, replicar, participar, promover, espalhar, multiplicar, viralizar nada, muda. De um para todos passa a ser de um para muitos, de muitos para muitos e de muitos para um. Simultaneamente, sem praticamente custo algum, ou a um custo irrelevante. A comunicação liberta-se do veículo, da mídia paga, proprietária e passa a ser universal, todos podem se comunicar com todos.

Isto dá aos poucos um poder extraordinário a cada um. Agora você pode responder a qualquer comunicação instantaneamente, e melhor, pode responder ao emissor da mensagem e copiar para mais um monte de gente, que por sua vez também pode se manifestar, participar. O que isso implica? Muitas coisas, entre elas, traz os elementos que sustentam a afirmação no título deste artigo – sua empresa precisa ser uma central de mídia.

Não cabe a nós, agora, discutir se isso é bom ou ruim. É fato, real, o que nos obriga a lidar com ele da melhor forma possível para o negócio. Resumindo, hoje a comunicação mais efetiva não se dá mais nos meios de comunicação tradicionais. Ela acontece instantaneamente na internet, nas redes sociais. Isso dá a cada empresa uma oportunidade única, de falar diretamente com cada um de seus clientes, consumidores, admiradores, críticos – o que é precioso, mas, sem dúvida, evidentemente, dá trabalho. Muito trabalho. O que lhe obriga a criar, ter, estabelecer uma central de mídia em sua empresa – ou a trazer fornecedores que saibam fazer isto, como a nossa agência (Art Presse) e muitas outras.

E a conta, fecha? Sem dúvida. Os custos com a comunicação tradicional, através da publicidade, são conhecidos de todos. É caro, não é exatamente preciso, o foco é praticamente impossível, a sintonia fina, nem sonhar. Mas, claro, funciona, principalmente para quem trabalha com grandes volumes, com grandes públicos. Os custos com a comunicação via as redes sociais são – to put it this way – amenos. E os ganhos, extraordinários. Claro que é necessária uma mudança de cultura, falar diretamente exige conteúdo verdadeiro, histórico, sólido, informativo, inteligente, divertido, que entretenha, que desperte a atenção, com rapidez e clareza. Não é problema para a maioria das empresas, há muito que todos desejamos uma comunicação melhor. Pois bem, ela chegou, os tempos são outros e todas as informações que sua empresa gera agora comportam e ensejam que sua empresa também seja uma central de comunicação, com uma estrutura que a habilite a aproveitar este momento, falando diretamente com quem lhe interessa, sem intermediários e com substância e qualidade.